Actividades

FATAL 2021

Uma festa em muito diferente, é certo, pensada exclusivamente para o ambiente digital. Este ano invertemos os papéis e é o público quem nos recebe em sua casa.

O mais importante está assegurado: a apresentação online de espetáculos de qualidade, apenas possível graças à dedicação dos grupos de Teatro Académico, que continuam a desenvolver o seu trabalho de uma forma regular, apesar das condicionantes impostas pela situação que todos vivemos.

PENSAR A MARIONETA: CONVERSAS COM MUITO CHÁ 

"Conversas com muito chá" é um ciclo de conversas organizadas numa parceria entre o FIMFA Lx21, o CET-FL.UL e a ESELx-IPL. Conversas com criadores e investigadores dedicadas à criação contemporânea e à tradição nas artes da marioneta. Diferentes olhares sobre a marioneta e o seu cruzamento com as outras artes, serão alguns dos assuntos debatidos. Sempre às 17h na Sala Bernardo Sassetti do Teatro Municipal São Luiz.

19 de Maio às 17h (quarta)
Os Bonecos de Santo Aleixo e o Teatro de Mamulengo

ADIAMENTO PARA 11 de Junho Lançamento da 2ª Edição do livro João Garcia Miguel e a Transificação do Corpo - Edição Física

Dia 11 de Junho, de 2021, às 18h30, no Teatro Ibérico. Lançamento do livro em epígrafe que vê aqui a sua 2ª edição. Desta vez em suporte físico. Através da revisão de conceitos importados dos rituais, este livro sobre João Garcia Miguel oferece uma visão particular sobre o uso do corpo no teatro deste criador como pilar da sua obra e, sobretudo, na tríade Yerma; Los Negros e os Deuses do Norte; La Vida Es Sonho (todos com Sara Ribeiro).

Para uma Timeline a Haver: Genealogias da Dança Enquanto Prática Artística em Portugal

Para uma Timeline a Haver — genealogias da dança enquanto prática artística em Portugal é um exercício coletivo de sinalização de marcos relativos ao desenvolvimento e disseminação da dança como prática artística em Portugal nos séculos XX e XXI. Levado a cabo intermitentemente desde 2016 e assumindo o presente como lugar de enunciação, a cada edição sofre mutações que levam a uma reconfiguração física e metodológica do que é dado a ver.

Exposição Pessoas com Relações com Pessoa

Como pode um soneto ressoar no corpo de quem o lê? Fernando Pessoa considerava-se um poeta essencialmente dramático. Vemos esse drama nos modos como fazia da escrita um palco para figuras literárias por si criadas, muitas vezes com relações – familiares, poéticas ou intelectuais – entre si. Fotografámos 42 leituras não-ensaiadas de sonetos pessoanos, fixando momentos de encontro que mostram uma teia de relações: entre pessoa retratada & fotógrafo, voz & soneto, corpo & memória, Pessoa-de-soneto & pessoa a recitar.