Colóquio Internacional: O teatro de Fernando Pessoa: prosa, verso e hipertexto

Colóquio Internacional: O teatro de Fernando Pessoa: prosa, verso e hipertexto

O teatro de Fernando Pessoa tem sido objecto de recentes edições críticas, tanto em papel, como em formato digital. As peças do Teatro Estático foram publicadas num volume editado por Filipa de Freitas e Patricio Ferrari. Outra parte crucial do teatro de Pessoa é a sua reinvenção da lenda de Fausto, que teve agora a sua primeira edição com aparato crítico-genético, preparada por Carlos Pittella. Defendendo a não-linearidade intrínseca do Fausto, esta edição complementa-se com o projecto «Fausto: uma existência digital» (CET-FLUL), que será disponibilizado na internet. Estas três iniciativas convidam-nos, neste colóquio (21 de junho de 2018), a revisitar a obra dramática de Fernando Pessoa e a repensar a sua relação com outros universos literários, como o simbolismo francês e o modernismo russo, e com outros autores que influenciaram a sua criação, nomeadamente Goethe, Marlowe, Maeterlinck e Shakespeare.