Laboratório de Teatro Clássico Português

Aulegrafia, de Jorge Ferreira de Vasconcelos

Apresentação da Comédia quinhentista Aulegrafia, de Jorge Ferreira de Vasconcelos, no âmbito do Laboratório de Teatro Clássico Português, promovido por Silvina Pereira e Júlio Martin. O espectáculo decorrerá no Claustro da Igreja da Graça, em Lisboa, de 07 a 24 de Julho de 2022 (quarta-feira a domingo) pelas 21 horas.

COLÓQUIO INTERNACIONAL MIGRAÇÕES MUSICAIS E TEATRAIS: PRÁTICAS PERFORMATIVAS NA EUROPA DOS SÉC. XVII E XVIII

O décimo colóquio internacional no Palácio Nacional de Queluz, decorrerá de 8 a 10 de Julho de 2022 e é organizado pelo DS-CEMSP e CMBV. no contexto da Temporada crusada Portugal-França, e vai debater questões performativas sobre a circulação europeia dos compositores, libretistas, músicos, cantores, arquitectos teatrais, e como este movimento modificou os gostos e moldou novas realidades artísticas durante os séc. 17 e 18.

Uma coisa não é outra coisa (2ª edição)

Um espetáculo de teatro e uma peça de teatro são diferentes porque são duas coisas. À partida não há qualquer distância entre as duas artes, tal como não há entre a cidadania e uma pintura da Idade Média. A descrição de distâncias é fruto de uma proposta de relação que alimenta frustrações e imobiliza identidades. A proposta deste livro, que pensa sobre teatro e literatura, mas também obra de arte e público, implica reconhecer o outro no encontro e identificar o óbvio: eu não sou tu.

Exposição: Parque Mayer 100 anos - O Esplendor da Revista

A 15 de junho de 1922 abria a Feira do Parque Mayer, para fazer reviver as antigas feiras da capital de acordo com as exigências dos tempos modernos. Paredes meias com a Avenida da Liberdade, nascia um novo espaço, com comes e bebes e divertimentos, incluindo teatros. O Maria Vitória foi inaugurado a 1 de julho de 1922. Nos anos seguintes abriam mais três teatros: o Variedades (1926), o Capitólio (1931) e o ABC (1956).

ESCOLA DE VERÃO NA PRÁTICA

Trabalhos de grupo: Práticas colaborativas em processos de criação e investigação em artes performativas com auéééu, Gustavo Vicente, Rui Pina Coelho e Vera Borges.

Na edição de 2022 da Escola de Verão: Na prática, tomaremos como motor o crescente interesse (ou necessidade?) por práticas colaborativas para refleti

História do Teatro de Revista em Portugal | Série documental

Está disponível na RTP Play a série documental "História do Teatro de Revista em Portugal? conta em quatro episódios a evolução do Teatro de Revista, desde a sua génese, em 1850, até aos dias de hoje. A par, estabelece-se uma relação entre a situação política e social do País e a vida em Lisboa projetadas nos espetáculos. A grande aposta da série é a recriação de vários números teatrais, sendo que os do primeiro episódio têm a particularidade de serem totalmente inéditos, uma vez que não há qualquer registo, ou nada que se pareça da sua encenação.

O teatro no centro: o trabalho (in)visível do Centro de Estudos de Teatro

O Centro de Estudos de Teatro produziu um vídeo sobre o trabalho que, há mais de 25 anos, é desenvolvido na unidade de investigação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, para apresentar no âmbito da Mostra de I&D Europeia em Humanidades (Conferência Europeia em Humanidades, Fundação Calouste Gulbenkian, Maio de 2021).

Actualmente são mais de 80 investigadores que contribuem para o imenso trabalho "invisível", que muito tem contribuído para aprofundar o estudo sobre o teatro e as artes performativas em Portugal.

Theatrology: Science of a Performative Civilization

A premissa deste projecto ensaístico é, ao longo de dez capítulos e três partes, que podemos alternadamente designar por cenas e actos, respectivamente, apresentar ao leitor comum o universo das Artes Performativas através da desconstrução do conceito de «Teatrologia» (um vocábulo inexistente em qualquer dicionário vulgar, quer se trate de uma língua germânica ou românica, por exemplo) rumo ao carácter performático (ou teatralidade, se quisermos) inato à e embutido na natureza humana.

Eighteenth-Century Theatre Capitals: From Lisbon to St. Petersburg

The fifth volume of the series Cadernos de Queluz intends to broaden the conceptual and geographical perspectives on the pan-European history of music theatre. The cultural and ceremonial patterns common to eighteenth-century European courts created complex webs of meaning around the sovereigns who communicated via the arts, which found expression in an architectural, artistic, and musical code.